segunda-feira, 3 de outubro de 2016

O Shofar de Pinchas – Jayme Fucs Bar


- Em Homenagem a meu Avô Chaim Fucksman Z"L de Bigorja ( Polônia)
Nos finais da primeira guerra mundial, numa pequena cidade da Polônia Bigorja , vivia Pinchas um jovem adolecente, seu pai Chaim , muito doente de tuberculoses o chamou ao lado de sua cama e em suas mãos segurava um pequeno embrulho enrolado e dentro dele um shofar, e com a voz tremula disse:
"Pinchas meu filho não tenho muito tempo de vida! Quero que você guarde, sempre esse shofar, que eu recebi de meu pai e agora passo a responsabilidade para você, nunca esqueça de toca-lo em Rosh Hashana, seu som melancólico ilumina e purifica os corações das tempestades e das turbulência que vivemos em nossas vidas".
O tempo passou e Pinchas jamais tocou o shofar em Rosh Hashana , como tinha pedido seu pai , porém a vida na Polônia, ficou ainda mais difícil depois da guerra, miséria, fome, pogrons, perseguições e antissemitismo , fez que Pinchas como muitos judeus fosse procurar refúgio no Brasil, partindo assim que podia no primeiro navio.
A Viagem a America do sul era longa e cansativa e quando estava em alto mar era noite de Rosh Hashana, os judeus que estavam abordo se preparavam junto com o Rabino para comemorar esse dia, mais Pinchas somente pensava como sobreviver no Brasil e começar uma nova vida.
Derrepente sem ninguém esperar , o tempo mudou, ventos e chuvas aterrizaram sobre o navio, trasformando tudo numa grande tempestade , ondas enormes jogavam o navio de um lado para o outro, gritos de desesperos era ouvido por todos os lados, uns rezavam outros se abraçavam já á espera do fim da vida se aproximar, o capitão e seus marinheiros depois de todas as tentativas perderam as esperanças.
Pinchas chorava de medo e em seus prantos o fez lembrar de seu pai que o fez um pedido antes de morrer " Pinchas guarde esse shofar e toque sempre no Rosh Hashana!"
Pinchas, com toda as suas forças , conseque tira de sua bolsa o shofar esquecido de seu pai, que jamais tinha tocado em sua vida, e pensou antes de morrer ,pelo menos uma vez em vida , vou cumprir o pedido de meu pai.
Pinchas conseque chegar até a frente do navio amarando todo seu corpo em uma corda numa grande barra de ferro. Ele vê em sua frente a morte e a fúria da tempestade e com a profundeza de seu coração toca o shofar, o som é forte e profundo, e por todos os lados se ouve um grande grito de misericórdia, seu som entra nos corações de judeus e não judeus, fazendo a todos ficarem num silêncio absoluto , o som do Shofar penetra nas ondas e nos ventos, nas chuvas e nas nuvens e de repente como um grande milagre tudo se acalma. O mar fica sereno, o céu se abre de estrelas e a lua iluminou a felicidade e a alegria de todos.
O capitão do navio e o rabino e todos chegam para agradecer a Pinchas e perguntam como ele conseguiu realizar esse milagre?
Pinchas meio sem jeito disse " Eu não fiz nenhum milagre! O que fiz foi cumprir o pedido de meu pai, de tocar o Shofar em Rosh Hashana para iluminar e purifica os corações das tempestades e das turbulência que vivemos em nossas vidas".
Shaná Tova!

Um comentário:

  1. O judaísmo Humanístico aceita pessoas tatuadas e que possuem piercing? Vocês têm como base a base filosófica ou religiosa? São do tipo que discriminam as pessoas, sejam elas do meio LGBT ou descrentes de Deus? Como, afinal, funciona essa ramificação religiosa?

    ResponderExcluir